Laços da Alegria

institucional

Sonhado por um grupo de amigos que só queria espalhar o bem e o amor, O Laços da Alegria ganhou musculatura e ficou gigante. Atualmente a associação atende a onze hospitais, sendo nove semanais e dois mensais e cinco instituições entre Organizações Não-Governamentais (ONG) e associações, além de promover outras ações de rua para levar aconchego a pessoas em situação de vulnerabilidade social.

O projeto nasceu em novembro de 2011 e para realizar seus trabalhos, os voluntários fazem uso da arte da palhaçaria, da magia, da música, do teatro etc. Todo esse cuidado tem um único intuito: levar carinho para quem precisa. Atualmente o projeto visita, em média, mil pessoas por fim de semana e tem em seu quadro de associados mais de 1,5 mil pessoas com cadastros ativos.

Solidariedade e amizade sempre foram pilares do Laços da Alegria e tem ajudado a manter vivo o projeto no decorrer desses quase dez anos. Mesmo tendo crescido e se tornado um dos maiores projetos sociais do Centro-Oeste, as associações mantêm viva o sentimento de amizade que norteou a fundação do projeto. Foi assim que o Laços, a partir de 2014, iniciou uma escalada de ampliação de suas ações e hospitais e ONGs. Nesse ano o Laços chegou ao HUB e mantinha visitas regulares ao Hospital Materno Infantil (HMIB). Por lá, o Laços desenvolveu ações por três anos.

lacos-abrapec-primeira-vez
lacos-hrg-primeira-visita

O boca-a-boca ajudou o projeto a crescer em voluntários e o trabalho sério fez com que a ampliação viesse em número de unidades hospitalares e ONGs atendidas pela associação. Em 2016, o Laços da Alegria se tornou uma associação com CNPJ e tudo. Isso garantiu ao projeto mais trânsito junto a SES e possibilitou uma expansão como nunca vista antes pelos voluntários. Com isso, o projeto precisou estabelecer uma nova dinâmica administrativa, o que tirou as parcerias da informalidade.

Os frutos da reestruturação da associação acabaram por ser colhidos em 2017, quando as parcerias em ONGs e ações junto a pessoas em situação de rua ganharam uma amplitude ainda maior. Nesse período, os voluntários do Laços da Alegria passaram a visitar pacientes internados no Hospital das Forças Armadas (HFA) e nos Hospitais Regionais de Taguatinga (HRT), Planaltina (HRP), Sobradinho (HRS) e Asa Norte (HRAN). Nesse período o Laços passou a visitar seu primeiro hospital particular, o Santa Helena (HSH). Nas ONGs, o Laços implementou ações na Casa Santo André, Comunidade de Renovação, Esperança e Vida Nova (CREVIN), que funciona como um lar para idosos, assim como os lares Bezerra de Menezes e Francisco de Assis.

O último processo de expansão do Laços da Alegria ocorreu em 2019, com o início de visitas no Hospital Regional da Samambaia (HRSam) e a criação das administrações regionais de hospitais, que são responsáveis por fazer atividades esporádicas e especiais em hospitais. Atualmente, esse trabalho é feito mensalmente no Hospital Ortopédico e Medicina Especializada (Home), Hospital Santa Marta (HSM).

Um pouquinho de

história

Só que essa história teve início bem antes, com o grupo Bula do Riso. O ano era 2008 e um grupo de voluntários costumava se encontrar no Hospital Universitário de Brasília (HUB) para fazer visitas aos pacientes internados. As atividades ocorriam aos sábados e domingos. Nascia ali um embrião do que viria a se tornar Laços, como o projeto é carinhosamente chamado pelos voluntários.

De volta a 2011, nesse ano um grupo inspirado no Bula do Riso, fundou o Laços da Alegria. O primeiro ano do projeto foi marcado por ações pontuais em Organizações Não- Governamentais (ONG), como o orfanato Nosso Lar e a Casa Fraterna Chico Xavier. Esse primeiro ano também foi marcado pela conquista das atividades na Associação Brasileira de Assistência às Pessoas com Câncer (Abrapec).

O local é visitado até hoje pelos voluntários do Laços.
As atividades hospitalares só foram fazer parte da realidade do Laços da Alegria em setembro de 2012, quando o grupo recebeu autorização para visitar pessoas internadas no Hospital Regional do Gama (HRG). A conquista foi um importante marco, já que, a partir disso, o Laços passou a ter um trânsito melhor junto à Secretaria de Saúde do Distrito Federal.

FUNDADORES DO LAÇOS

Conheça o grupo de amigos que fundou o Laços para espalhar o bem e o amor as pessoas hospitalizadas e em situação de vulnerabilidade no Distrito Federal.

CONSELHO DIRETOR

A estrutura administrativa possui quatro diretorias: Diretoria Executiva, Diretoria de Hospitais, Diretoria de ONGs e Diretoria de Comunicação.